Qual é a diferença entre mediadores e advogados

Diferença entre arbitragem e Mediação
0 Flares LinkedIn 0 Facebook 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

Embora advogados e mediadores sejam profissionais que trabalham com resolução de conflitos, a mediação e o direito são profissões distintas. E não disputam entre si. A formação e a experiência como advogado são uma boa base para se tornar um mediador, porque os advogados já sabem interpretar leis e analisar situações factuais complicadas. Porém, existem diferenças. E vamos explicá-las.

Diferenças entre mediadores e advogados

Um advogado com experiência como advogado de direito da família tem a combinação certa de conhecimento e experiência para se tornar um bom mediador do direito da família. Da mesma forma, um advogado com ampla experiência em representação de empresas geralmente tem o histórico certo para mediar controvérsias ou controvérsias trabalhistas. Não é necessário, no entanto, que o mediador seja advogado, desde que o mediador tenha sólidos conhecimentos da legislação aplicável através de algum outro tipo de experiência. Por exemplo, um empresário de sucesso também pode ser um bom mediador de negócios.

Ter a formação certa em termos de conhecimento e experiência é apenas o começo. Os mediadores passam por treinamento para aprender como facilitar disputas. Em áreas mais especializadas do direito, como o direito da família, é necessário um nível mais alto de treinamento para garantir que o mediador saiba como lidar com as questões que surgem com mais frequência.

Funções de mediadores e advogados em disputas judiciais


Embora os mediadores e advogados sejam treinados para lidar com conflitos, há uma diferença fundamental entre o papel de um advogado e o papel de um mediador na resolução de disputas.

Um advogado atua como advogado de uma parte de um lado ou do outro em uma disputa.

Um mediador não atua como advogado de nenhuma das partes, mas ao invés disso permanece objetivo, guiando ambas as partes através do processo de resolução e ajudando-as a navegar no difícil terreno emocional que freqüentemente acompanha o conflito.

Um bom mediador sabe como olhar para uma questão de todos os lados, suspender o julgamento e ser solidário sem tomar uma posição pessoal. Contudo, aprender a assumir uma função neutra não é algo natural para todos, e alguns advogados acham particularmente desafiador sair da função de advocacy.

Embora alguns advogados sejam capazes de alternar facilmente entre a função de advogado e a função de mediador, os advogados que se tornam mediadores e optam por concentrar suas práticas na mediação geralmente são pessoas mais atraídas pela ideia de negociação e colaboração do que a ideia de travar batalhas a partir de posições polarizadas de “ganha-perde”.

Profissões que se somam

Um mediador que também é advogado geralmente é altamente qualificado para fornecer informações jurídicas, mas o advogado-mediador não pode fornecer aconselhamento jurídico. Por exemplo, se você e seu cônjuge decidirem mediar com um advogado-mediador, o mediador pode explicar a vocês dois quais são os fatores de custódia dos filhos ou como funcionam as diretrizes de pensão alimentícia, mas não pode aconselhar nenhum de vocês sobre o que sua melhor posição pode ser em função das informações.

Embora os procuradores-mediadores não dêem conselhos, eles geralmente estão mais atentos do que os mediadores não-procuradores a situações que exigem opiniões legais. Eles podem, portanto, fazer sugestões adequadas às partes sobre quando pode ser um bom momento para eles recuarem e procurarem uma consulta com seus advogados independentes. Seu advogado independente então atuará como seu defensor. Por isso, irá mostrar-lhe os pontos fortes e fracos de sua posição e ajudando você a criar um argumento que se baseia em seus pontos fortes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Flares LinkedIn 0 Facebook 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×