Origem da Arbitragem

Origem da arbitragem
0 Flares LinkedIn 0 Facebook 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

A origem da arbitragem, por vezes, se perde na obscuridade. Não se sabe em que momento ou lugar o homem decidiu primeiro submeter-se a alguém para ajuda-lo em uma decisão ou um acordo com uma outra parte. Ao invés de recorrer à violência (financeira ou física), ou ao mecanismo jurídico público disponível, o indivíduo busca o equilíbrio. A investigação da origem da arbitragem aponta esse tipo de atitude cresceu a partir da história do crescimento social e da ética e da democracia.

Antes das leis serem estabelecidas, ou tribunais serem organizados, ou juízes formularem princípios de direito, os homens recorreram à arbitragem para a resolução de discórdias, o ajuste de diferenças e a solução de controvérsias.

Um dos primeiros árbitros foi Salomão (sim, o bíblico). Em um livro de Elkouri (How Arbitration Works (1960), afirma-se não apenas que Salomão era um árbitro, mas também que o procedimento usado por ele era em muitos aspectos semelhante ao usado pelos árbitros hoje. Por isso, é considerada como uma das origens da arbitragem.

Colocamos aqui o extrato do capítulo 3, versículos 16-28, onde se lê:

16. Então vieram duas mulheres prostitutas ao rei, e estava diante dele.

17. E uma mulher disse: Ó meu senhor, eu e esta mulher moramos em uma casa; e eu tive um filho com ela em casa.

18. E aconteceu que no terceiro dia depois que fui entregue, esta mulher também foi entregue; e nós estávamos juntos; houve nenhum estranho conosco em casa, exceto nós dois em casa.

19. E o filho desta mulher morreu durante a noite; porque ela sobrepôs isto.

20. E ela se levantou à meia-noite, e tirou meu filho do meu lado, enquanto a tua serva dormia, e a pôs em seu seio, e deitou-se seu filho morto em meu seio.

21. E quando eu me levantei pela manhã para dar de mamar ao meu filho, eis que estava morto; mas quando eu considerei isso pela manhã, eis que não era meu filho, o que eu dei à luz.

22. E a outra mulher disse: Não, mas o vivente é meu filho, e o morto é teu filho. E este disse: Não; mas o morto é teu filho, e o vivo é meu filho. Assim falaram perante o rei.

23. Então disse o rei: Aquele diz: Este é o meu filho que vive, e teu filho está morto; e o outro diz, Não; mas teu filho é o morto, e meu filho é o vivo.

24. E o rei disse: Trazei-me uma espada. E eles trouxeram uma espada antes do rei.

25. E o rei disse: Divide o menino vivo em dois e dá a metade para um e meio para o outro.

26. Então falou a mulher cujo filho vivo era ao rei: pois suas entranhas doeram por seu filho, e ela disse, ó meu senhor, dê-lhe o filho vivo, e de maneira nenhuma mate-o. Mas o outro disse: Que não seja nem meu nem teu, mas divide-o.

As origens da arbitragem: do ontem para o hoje

O curso da arbitragem for traçado ao longo dos séculos, por isso serão encontrados relatos tanto na sociedade mais primitiva, bem como na civilização moderna. A arbitragem comercial era conhecida pelas caravanas do deserto na época de Marco Polo e era uma prática comum entre comerciantes  fenícios e gregos. A arbitragem civil daí também floresceu. No período homérico, chefes e anciãos realizavam sessões mais ou menos regulares, em locais de reunião, para resolver as disputas de todas as pessoas que escolheram comparecer perante eles. Seria como colocar uma cláusula no contrato.

Em meados do século VI a.C., Peisístrato, o tirano ateniense, promoveu sua política de manter as pessoas fora da cidade, nomeando juízes para percorrer as comunidades das aldeias. Se não conseguissem chegar a uma solução amistosa, eram autorizados a tomar decisões arbitrais vinculativas.

Essa é uma das versões da origem da arbitragem.

Origem da arbitragem e do direito: práticas que crescem juntas?

A história da arbitragem, ao contrário da história do direito, não é um relato do crescimento e desenvolvimento de princípios e doutrinas que vieram, através de um longo uso, ter uma validade e força gerais. Embora a arbitragem provavelmente anteceda todos os sistemas jurídicos anteriores, ela não desenvolveu nenhum código de princípios. Ao contrário: é, com muito poucas exceções, uma questão de decisão livre. Ou seja: cada caso é visto à luz da conveniência prática e decidido de acordo com as normas éticas ou econômicas de algum grupo particular.

Um caso não é autoridade para outro, uma vez que as decisões são em termos de pessoas e práticas e não estão de acordo com as regras e doutrinas prescritas.

A arbitragem comercial

É muito comum dizer que a arbitragem comercial teve seu início “formal” com as práticas do mercado e tribunais justos e nas corporações mercantis. É verdade que o comerciante da corporação tinha amplas concessões de poder para o comércio. Eles tinham um caráter de monopólio. Em muitos casos, o direito de comércio em um bairro dependia da associação a uma corporação licenciada.

Eles participavam ativamente do governo da cidade, embora sua função principal fosse a proteção dos privilégios mercantis, protegendo não apenas os interesses do homem da corporação local, mas também os dos comerciantes da cidade que buscavam os mercados de outras cidades. Eles eram o que chamamos hoje de árbitros.

A arbitragem foi concebida de maneira tão sólida inicialmente, e de maneira geral aplicada a todos os tipos de controvérsia, que pouca mudança ocorreu em seus princípios fundamentais ao longo dos séculos.

Arbitragem é um acordo voluntário

Apesar dos esforços para estreitar o conceito inicial, ou para colocar sua prática em uma camisa de força legal, a arbitragem continua sendo o acordo voluntário de estados ou pessoas. Assim, elas submetem suas diferenças aos árbitros de sua própria escolha e se comprometerem antecipadamente a aceitar as decisões.

Esse direito natural de autorregulação é um bem precioso de uma sociedade democrática. Pois incorpora os princípios de independência, autoconfiança, igualdade, integridade e responsabilidade, todos de valor inestimável para qualquer comunidade.

Quer aplicar a arbitragem para resolver seus problemas legais? Fale com a gente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Flares LinkedIn 0 Facebook 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×